top of page
  • Foto do escritorerpotterpodcasts

O Repouso não é o que imaginamos que seja



Um dia de folga. Um feriado. Ficar na cama mais duas horas de manhã. Será que o descanso consiste nisso? Por natureza, descansar, para nós, depende de circumstâncias externas; na realidade, é fruto de um relacionamento espiritual. O que significa as “águas tranquilas” de Salmo 23?





O Livro dos Salmos é o favorito de muitas pessoas, tanto judeus como cristãos, e entre os Salmos, o Salmo 23 está no topo desses favoritos. Em seis versículos curtos, o Salmo afirma a promessa da companhia do Bom Pastor nos bons e maus momentos, e termina com a bênção final de viver na presença de Deus para sempre. É comum ouvir este salmo lido em serviços funerários, que foi onde eu o ouvi recentemente. Nestes momentos quando as nossas vidas são perturbadas por dificuldades, desastres ou pela morte de um ente querido, os "verdes pastos" e "águas tranquilas" do versículo 2 fazem-nos recordar tempos no passado em que tivemos o privilégio de experimentar a calma da natureza.

Acompanhei em hebraico a leitura do Salmo 23 e quando cheguei à frase "(Ele) guia-me mansamente a águas tranquilas", adivinhe qual a personagem histórica que veio à mente? Noé! Ele, mais do que qualquer outro, lidou com águas, certo? Muita água. 40 dias de chuva resultaram num dilúvio que a Bíblia diz foi alimentada pela abertura “das janelas do céu” deixando cair o dossel de água que envolvia a terra desde a criação até aquele momento. E como se isso não bastasse, as fontes do grande abismo se romperam, e todo o planeta foi coberto com água a uma profundidade de 7,5 metros. Se, neste momento, você está pensando no Monte Everest + 15 côvados de água, não vou parar aqui para apresentar os argumentos que explicam que as altas cordilheiras de hoje emergiram durante a dilúvio e os fundos do mar correspondentemente afundaram, assumindo os seus atuais contornos extremamente profundos para acomodar o volume de águas liberado no dilúvio. Vamos aceitar o que a palavra de Deus diz sobre a universalidade do dilúvio. Uma coisa é certa: as águas por onde Noé navegou eram tudo menos as "águas tranquilas" que encontramos no Salmo 23.2.

Então, por que associar Noé com Salmo 23.2? A palavra hebraica para "tranquilas" nesse versículo é um cognato do nome de Noé. Cognatos são palavras que têm uma derivação comum e vêm da mesma raiz. Estas duas palavras vêm do verbo hebraico "nuach" (descansar). O nome "Noé" significa "descanso"; a palavra traduzida "tranquilas" quer dizer "um lugar de descanso".

"Que estranho!" Pensei: "Deus levou o pai de Noé a dar-lhe o nome de 'descanso' no momento da história em que as condições no mundo eram as menos propícias para descansar." A humanidade toda era tão violenta e rebelde que Deus foi obrigado a limpar a face da terra e começar de novo com uma só família. Descansar? Noé e seus filhos trabalharam 120 anos construindo um enorme jardim zoológico flutuante, sem o benefício de lojas de ferragens, motosserras e ferramentas elétricas. Isso me c heira mais a trabalho do que a descanso. Depois, houve o cruzeiro prolongado na arca, longe de ser o equivalente a um cruzeiro de férias repousante num dos transatlânticos de luxo de hoje. A Bíblia diz que Noé e sua família ficaram fechados na arca durante 365 dias, sem portos de escala, sem passeios turísticos ou excursões de compras em terra, sem casinos e espetáculos a bordo para animação à noite.

Temos uma ideia distorcida do que Deus quer dizer com "descanso". Em Hebreus 4 vemos que Deus pretende que descansemos, e não apenas no contexto eterno do Seu reino. "1: Temamos, pois, que, porventura, deixada a promessa de entrar em Seu repouso, pareça que algum de vós fica para trás. 3: Porque nós, os que temos crido, entramos no repouso 11: Procuremos, pois, entrar naquele repouso". Isso confirma o que Jesus disse durante seu ministério na terra em Mateus 11, "28.Vinde a Mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e Eu vos aliviarei." Mas esse descanso inclui também um jugo e um fardo: "29: Tomai sobre vós o meu jugo... encontrareis descanso para as vossas almas. 30: Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve."

Este descanso não significa que não haverá problemas. Nas últimas palavras de Jesus a Seus discípulos na noite antes de Sua crucificação, Ele concluiu dizendo: João 16: "33:Tenho vos dito isto, para que em Mim tenhais paz; no mundo tereis aflições." No mesmo fôlego, Ele nos oferece a possiblidade de paz e logo acrescenta que teremos aflições. Em outras palavras, teremos aflições, quer tenhamos paz ou não.

Noé, afinal, é uma ilustração perfeita do descanso que Deus quer que experimentemos. Estamos a viver em tempos como os de Noé. "Assim como foi nos dias de Noé, assim será nos dias do Filho do Homem", disse Jesus. A iniquidade e a violência estão a aumentar; nossos dias não são momentos propícios ao descanso e ao relaxamento. Pedro diz que a destruição do mundo pela água nos dias de Noé e da arca prenunciam a destruição vindoura do mundo pelo fogo. Para você, o Livro do Apocalipse é uma história assustadora ou uma mensagem consoladora? Ao longo de todos os eventos cataclísmicos da vida de Noé, ele foi o servo através do qual Deus trouxe descanso a um mundo violento. Agora é a nossa vez de sermos vasos de descanso de Deus num mundo violento. Devemos aprender a ver as águas turbulentas do nosso tempo como uma oportunidade de descansar junto das águas tranquilas do Salmo 23.

Por que será que as palavras do Salmo 23 são tão reconfortantes? As pastagens verdes e as águas tranquilas tornam-se caminhos através do vale da sombra da morte. No salmo vivemos e jantamos na presença de inimigos. Onde está o descanso? "... e habitarei para sempre na casa do Senhor." Descansamos na certeza de que viveremos na presença do Senhor para sempre. João 14.1-6 é o Salmo 23 do Novo Testamento. Jesus disse: "Vou para preparar-vos um lugar, para que onde eu estiver estejais também." É nesta promessa que encontramos o descanso que procuramos.

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Commentaires


bottom of page